20/08/2016 - REUNIÃO CIENTÍFICA

Apresentação de monografia: “De fantoche à filha desengonçada”

Às 9:00h da manhã de um sábado agostino (20/08), a especialista Lúcia de Mello S. do Vale apresentou seu trabalho de monografia, intitulado De fantoche à filha desengonçada. Na ocasião, estavam presentes na composição da mesa a Professora Ana Maria T. Trinca e o Professor Ryad Simon.


Em seu trabalho, Lúcia apresentou seus desafios no percurso de um atendimento de uma paciente que trazia sérias questões com a mãe, resultando-lhe em dificuldades em lidar com sua própria feminilidade e maternidade, agravada pela situação que lhe sobreveio ao ter uma filha com problemas decorrentes de uma deformidade – fantasiada pela paciente como uma profecia de sua mãe.


Na discussão, a fala foi concedida, inicialmente a Prof.ª Ana Trinca que agradeceu o convite e acrescentou que o trabalho do analista precisa apresentar as características próprias e não a de seu supervisor e, com isso, reforçou que ao acompanhar o trabalho de atendimento da especialista Lúcia, pôde perceber seu envolvimento e acolhimento com a paciente.


Já na discussão proposta pelo Prof. Ryad Simon, ele sugeriu que no caso dessa paciente, parece haver uma persecutoriedade e não uma culpa, conforme propõe a autora. Seguiu explicando que a culpa surge somente quando há um objeto bom e, neste caso, parece haver um objeto mau, levado ao aparecimento da persecutoriedade. No caso de o objeto idealizado ser atacado, desperta-se, com isso, o terror e não a culpa. Durante suas observações, o prof. Ryad destacou a importância de conduzir os pacientes ao senso de realidade e, neste caso, explicitar os ataques da mãe, o que inclui dizer algo como: “sua mãe foi muito má com você”. Ainda dentro de suas contribuições, explicou que é preciso ajudar os pacientes a distinguir quando a mãe foi boa ou má e que é preciso parar de sacralizar a mãe.


A diretoria científica da APP sentiu-se muito agraciada com a disponibilidade e contribuição de nossa colega Lúcia, que tão generosamente nos concedeu a oportunidade de pensar a clínica psicanalítica. Além disso, fica aqui o registro de gratidão aos queridos Professores Ana Trinca e Ryad Simon por tanta generosidade e disponibilidade para o ensino e a transmissão da Psicanálise.


 

Renne S. Nunes

Vice diretor científico